Eu não sou promíscua. Mas sou caleidoscópica: fascinam-me as minhas mutações faiscantes que aqui caleidoscopicamente registro. C.L.



quinta-feira, 9 de julho de 2009

Se esse amor não falasse tão alto assim.
Se você não estivesse tão presente em mim.
Se eu pudesse te odiar como eu te quero.
Se eu pudesse te esquecer como eu te espero.
Eu te deixava, te deixava ...
[...]