Eu não sou promíscua. Mas sou caleidoscópica: fascinam-me as minhas mutações faiscantes que aqui caleidoscopicamente registro. C.L.



terça-feira, 26 de janeiro de 2010

"Mas, nessa época, eles dançavam pelas ruas como piões frenéticos, e eu me arrastava na mesma direção como tenho feito toda a minha vida, sempre rastejando atrás de pessoas que me interessam, porque, para mim, pessoas mesmo são os loucos, os que estão loucos para viver, loucos para falar, loucos para serem salvos, que querem tudo ao mesmo tempo, aqueles que nunca bocejam e jamais dizem coisas comuns, mas queimam, queimam, queimam como fabulosos fogos de artifício, explodindo como constelações em cujo centro fervilhante — pop — pode-se ver um brilho azul e intenso até que todos digam “aaaaaaah!” "
Jack Kerouac

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Soneto de fidelidade

De tudo, ao seu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, sempre e tanto,
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Vinicius de Moraes

domingo, 10 de janeiro de 2010



meio inútil, haha
mas como dizia Ailin Aleixo
'Seja um idiota'

:)

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Silêncio na biblioteca




Talvez seja para não despertar o monstro da sabedoria que há dentro de nós
Ou quem sabe para não atrapalhar o sonho de se transportar para dentro da historia
Já ouviu falar em viagem, daquelas longas, mas sem sair do lugar.
Andei sabendo que quando alguém grita baixo quando se está lendo, tudo acaba no exato minuto e a viagem acaba sendo por si cancelada.
Mas afinal, porque não se pode falar alto na biblioteca?