Eu não sou promíscua. Mas sou caleidoscópica: fascinam-me as minhas mutações faiscantes que aqui caleidoscopicamente registro. C.L.



terça-feira, 25 de setembro de 2012

E as vezes a gente só quer um abraço
uma passada de mão no rosto
um entrelaçar de dedos nos cabelos da nuca
um arrepio na espinha dorsal
e um palpitar acelerado no órgão cardíaco.


quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Con un lenguaje coloreado y poético, va reflejando en la retina colores distintos. Una mezcla de amarillo, con morado, con rosa. Mientras la llovizna escurre en sus ramas, las grandes ramas largas, atadas en la copa, su tronco alto y vetusto hace con que cuando paramos en la calle no nos cansemos de mirar sus bellas flores. En la primavera renace, formando un ramillete de piezas delicadas que en otoño se caen lentamente al sabor del viento, bailando en el aire hasta llegar al suelo. En el horizonte, los ipês lado a lado, hacen componer un paisaje hermoso, construyendo una fiesta de colores y encanto.

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Estranho

essa coisa de querer
alguém para si.
de sentir,
de sorrir,
de querer alguém para si.

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Quando não tiver mais assunto, beijar.
A cara de sono, de bravo, o cabelo despenteado.
E então você há de me tirar suspiros
tirar risos, tirar a roupa.

segunda-feira, 16 de julho de 2012

E no meio de um pensamento,
a gente se da conta,
e fica lembrando do que aconteceu,
o que se passou.
E no meio do dia,
a gente se pega sonhando,
e fica relembrando do tempo
o que se passou.
E no meio da noite,
a gente se pega acordado
e fica puxando na memória
o que se passou.
E no meio de tudo isso
a gente se perde
e fica perdido
até se encontrar.
Desenhei teu rosto no teto do meu quarto,
para dormir sempre te olhando.

365 dias

terça-feira, 10 de julho de 2012

"Cartas de amor são escritas não para dar notícias...
Não para contar nada...
Mas para que mãos separadas se toquem
Ao tocarem a mesma folha de papel"

Rubem Alves (via Casa das Letras)

domingo, 24 de junho de 2012

- Vamos fugir?
Estava esperando esse convite!
- Para onde?
Para qualquer lugar que seja sussegado, calmo e bonito.
- Todo dia de manhã, flores que a gente regue.
E que tenha uma rede pra gente deitar à tarde e de noite ficar vendo o céu.
- Teria coragem de uma loucura dessas por amor?
Eu teria. Amor a gente só tem um, vida a gente só vive uma vez. Tem que aproveitar enquanto dá, fazer o que tiver vontade, não ficar se limitando, pensando que não pode dar certo, tem que sempre arriscar.
- Verdade. Vamos fugir quando então?
Vou pegar minhas coisas, passo ai em 5 minutos, tá bom?

quarta-feira, 6 de junho de 2012

Amar é descobrir os avessos. É olhar o outro lado, o nunca visto, o não investigado. Amar é exercício de investigação, de constante e atenta observância. Só o observar silencioso da existência nos capacita para uma formulação de palavras. Só pode dizer alguma coisa sobre uma pessoa, aquele que soube demorar, que soube ficar, permanecer, vigiar, descobrir. As palavras reveladoras só nascem depois da observação silenciosa. Uma mulher não se sente amada no momento em que o homem lhe proporciona uma noite de amor, apenas. Mas sobretudo no momento em que se sentam à mesa de um restaurante, e sem que ela diga nada ele lhe pede o prato favorito. Amar é descobrir os gostos, os sabores particulares, os desejos mais ocultos. Amar é saber a cor favorita, o número que calça os pés, o que causa medo e o que encoraja.

Padre Fábio de Melo

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Havemos de voltar

Às casas, às nossas lavras
às praias, aos nossos campos
havemos de voltar.

Às nossas terras
vermelhas do café
brancas de algodão
verdes dos milharais
havemos de voltar.

Às nossas minas de diamantes
ouro, cobre, de petróleo
havemos de voltar.

Aos nossos rios, nossos lagos
às montanhas, às florestas
havemos de voltar.

À frescura da mulemba
às nossas tradições
aos ritmos e às fogueiras
havemos de voltar.

À marimba e ao quissange
ao nosso carnaval
havemos de voltar.

À bela pátria angolana
nossa terra, nossa mãe
havemos de voltar.

Havemos de voltar
À Angola libertada
Angola independente.

Agostinho Neto

25 de maio de 1972.
O Dia da África simboliza a luta dos povos do continente africano pela sua independência e emancipação, e representa a data da Libertação da África.

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Transbordar

Felizes os que amam
e não desejam nada em troca
senão o amor de quem se ama
que o coração se derrama
de tanto amor que lota.

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Epitáfio

Aqui jaz a rosa
que criou numa só prosa
tão terna tão formosa
de fosca à luminosa.

A rosa entregue a ela
a vermelha Rosa bela
a mais linda donzela
aquela que se fez vela.

A luminosa, escureceu
a vela, apagou
a rima, acabou
e quem por hora nunca amou, morreu.

sábado, 5 de maio de 2012

I drove for miles and miles
And wound up at your door
I've had you so many times but somehow
I want more.


terça-feira, 1 de maio de 2012

Enquanto a neve cai lá fora, nós caimos aqui dentro.
Dentro de casa, dentro de si.
Se perder. Nos lábios, nas curvas, nas suas, nas minhas.
Teu corpo me convida.
Então chega mais perto.
Está bom?
Mais.
E agora?
Sempre mais.
Nos perdemos.
Me puxa pela cintura, prolonga o beijo, me arrepia a nuca.
Abraço quente que aperta, agarra os lençóis, ama baixinho.
Amor que não se cansa.
Me provoca, me acaricia com o olhar.
Dedilha-me, como se dedilhasse um violão.
Desliza-me a perna, como uma dançarina desliza o tango.
O corpo que se desloca, o lábio que toca, o olho meigo que encara.
Foi-se uma noite de amor.


segunda-feira, 30 de abril de 2012

Hey amigo

Deambula, mexa-se um pouco mais.
Ela deambula, nas tuas avenidas e ruas.
Poe os homens, aos seus pés tão ternos.
Barcelona o faz compreender que
ela se engana, por qualquer que seja a emoção.
Ela se engana pois ela é como tu, um gato que ondula,
que faz suas peripécias.
Ela escapa de raspão.
Hey amigo,
Ela quer o alto, ela quer tua pele.
Ela está sobre as tuas costas, uma tatuagem.
Hey amigo, ela quer a beleza de um amor sem maquilagem.
Deambula mexa-se um pouco mais.
Ela deambula nas tuas avenidas e ruas.
Coloca o véu em sua doce face.
Barcelona a põe de refém.
Ela se entrega, qualquer que seja o peso.
Ela se entrega pois ela é como você, um gato,
que minoda e sauda o homem
Ela manipula aquele que diz não.
Hey amigo, ela quer o alto, quer tua pele.
Está sobre tuas costas, uma tatuagem.
Hey amigo ela quer a beleza de um amor sem maquilagem.

Alizée

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Veracidade

Eu me desmonto inteira e um segundo depois me refaço em pedaços.
Sublime dia em que você me perguntou se a cadeira estava ocupada
e eu disse não.

Um lugar qualquer da rua XX



Era noite de um sábado, lá fora chovia forte e o vidro do carro embaçado. A cada semáforo vermelho, nos beijávamos e sua mão deslizava. Riámos de coisas bobas, conversávamos sobre o dia no trabalho, falávamos sobre a correria do dia, o sofá da sala, a cama do quarto. Relembrávamos da noite anterior. Silêncio. Passando por uma rua escura, ele resolveu parar. Estacionou o carro numa rua estreita e sem movimento. Estávamos só nós, a luz no poste e o barulho do relógio. Afastou o banco para trás, travou as portas, foi quando eu sorri e ele me puxou. Me puxou pela cintura, por baixo da blusa e começou a lentavanta-la. Começou por beijar o canto da boca, depois seguiu para ela. Enquanto segurava a nuca não mudava o olhar, continuava com os olhos fixos aos meus. Deitou-me sobre o volante, beijando-me o pescoço, mordeu. Ao deslizar o corpo desabotoou a camisa. Seguia os beijos. Seguia a mão. Seguia o desejo. Os lábios descendo à barriga, desabotoou a calça. Sussurrou: E agora? Você é quem decide, respondi. Sorriu. Segurou-me forte. Encaixou-se. Nos esquecemos de nós mesmos, do tempo, do mundo. Já era madrugada quando um policial bateu no vidro. Nem escutamos. Embaçamos o vidro ainda mais. Começou a bater forte na porta, nós achando que era nós mesmos. Começou a ficar mais forte e mais forte, rápido e lentamente, quando puxei seu cabelo e me apertou a cintura. Te amo dissémos juntos. E o que tinha ficado mais forte continuou, era o policial batendo, tivémos que nos arrumar. Quando abrimos a janela, veio uma luz forte da laterna, nos distraiu os olhos. Na verdade era o sol a bater no rosto enquanto acordo.

quarta-feira, 25 de abril de 2012

És o homem que anda em minha rua
branda, serena, luz da lua
faz-me adivinhar estranha loucura
que em teus braços procurarei ternura.

És o homem que tanto tanto ama
como o amor ama o barulho
como o mar ama o burbulho
como crepúsculo ama o escuro.

És o homem que me encanta
com letras me acalanta
com melodias me canta
com as notas me balança.

segunda-feira, 16 de abril de 2012

(a)caso

De caso com o acaso
se for por acaso
eu caso
se não for o caso
com o acaso
então não caso
espero o acaso
casar.
É alguém que me arranca suspiros
beijos, sorrisos.
Que me arrepia a alma,
me beija a nuca,
me enlouquece e acalma.
É alguém que me chama de pequena
faz-me sentir grande
me ama imensamente.
Que me espera com abraços
me faz esquecer das horas
me toca sem encostar
que eu entendo só de olhar.
Alguém que me tira saudades
me tira o chão.
Alguém que eu queira esquecer
só para ter que lembrar depois.
É aquele alguém do meu sonho.
É aquele alguém de quem preciso.

sexta-feira, 30 de março de 2012

Uma rima me ocorreu

Portentoso era o modo como desejava um afago seu
daquele que vira e desvira o mundo meu.
Fazia-me o coração num museu
tenho pena do coitado que tanto sofreu.
Quem me dera se fostes um Romeu
chamar-me-ia Julieta meu eu.
Sublime tocava o coração seu
numa fechada de olhar se correu.
Atrapalhando o trânsito adormeceu
Quando o vi me estremeceu.
Dei-lhe um tapa na cara e não respondeu
Pensei, meu Deus agora fodeu.
Ao abrir os olhos reconheceu
quem tanto chorava era eu.
Com tamanha ternura aqueceu
a lágrima que no rosto escorreu.
Quem jurava eterno sentimento morreu
No instante em que o céu escureceu.
Abrindo a pálpebra enalteceu
Olhou-me e disse: sou eu.
Nenhuma palavra a cabeça me ocorreu
Ao cadáver em meus braços perguntou eu:
Ora Romeu, bebeu?

sábado, 17 de março de 2012

Pedido

juntar
trevo pé-de-coelho ferradura estrela cadente
eu você
pedido
perdido

quinta-feira, 15 de março de 2012

Bilhete

Se tu me amas, ama-me baixinho
Não o grites de cima dos telhados
Deixa em paz os passarinhos
... Deixa em paz a mim!
Se me queres, enfim, tem de ser bem devagarinho
Amada, que a vida é breve, e o amor mais breve ainda...

Mário Quintana


14 de março - Dia Nanional da Poesia
O Dia Nacional da Poesia é comemorado em homenagem ao nascimento de Castro Alves, em 14 de março de 1847. Poeta do romantismo, ele foi um dos maiores nomes da poesia brasileira.

terça-feira, 13 de março de 2012

Ela não fazia o tipo de mulher que se deixava abater. Porém de vez em quando se tornava uma menina que insistia em sofrer.

sábado, 10 de março de 2012

E às vezes a gente percebe que entendeu errado. Que aquele amor só existia na cabeça da gente.

quinta-feira, 8 de março de 2012

Ser mulher é muito além de ser mãe, amiga, irmã, companheira e esposa. Não é somente reclamar que algum homem não a ama, botar a culpa na TPM, se fazer de ranzinza quando está com cólica, ter atitudes de homem grosso e pensamentos de mulher vulgar. Ser mulher é muito além de subir em um salto 18, entrar em uma roupa 40, cuidar para não quebrar a unha, não sair por não ter roupa mesmo com o armário estando cheio, ter 50 bolsas e sair só com uma, acordar meia hora antes para dar tempo de fazer a maquiagem. Está muito além de permanecer durante 9 meses com um presente de Deus na barriga e depois de 9 meses nunca mais dormir tranquila. Está muito além de querer presentes, de querer parabéns em um dia como este, em ficar provando que é do bem. Ser mulher é se dar o respeito, é saber do valor que tem, é saber levar um sorriso no rosto estando com o coração partido, é saber erguer a cabeça em uma decepção, é saber agradecer, é saber lutar, é saber acordar a cada manhã mais apaixonante e encantadora, é saber ser feliz. Ser mulher não é somente querer presentes caros e provas de amor eterno, ser mulher é querer um beijo na testa e sentir-se a mais contente do mundo, é querer ser chamada de linda e sentir-se a mais amada, é querer receber aquela mensagem no celular e sentir que ganhou o dia, é querer ser colocada do lado de dentro da calçada, não achando isso velho demais. Ser mulher é por-se no seu lugar, é saber a hora de ser menina e a hora de tornar-se uma mulher. Não, não existe mulher feia, existe mulher que não se cuida, que não sabe o poder que tem! Não existe mulher interesseira, existe mulher que não foi lhe apresentada o amor! Ser mulher é ter consciência de seus atos, confiança em suas atitudes e ser verdadeira sempre. Mulher de verdade não é aquela que fala que homem é tudo igual, mas aquela que faz a diferença na vida deles. Mulher de verdade não quer igualdade entre os sexos, pois ela sabe que homens e mulheres são totalmente diferentes, têm atitudes diferentes e histórias diferentes. Homem é determinado, é razão, é prático. Mulher é emoção, é delicada, é complicada. Complicada e muito! Mulher é a única pessoa que chora vendo novela e fica encantada só de ouvir palavras bobas. O dia das mulheres existe, não para recebermos elogios e parabéns, mas para lembrarmos que mulher tem que ser valorizada sempre, tanto por um homem como por ela mesma.



A flor da foto ganhei de um dos grandes homens da minha vida, meu irmão.

Com licença poética

Quando nasci um anjo esbelto,
desses que tocam trombeta, anunciou:
vai carregar bandeira.
Cargo muito pesado para mulher,
esta espécie ainda envergonhada.
Aceito os subterfúgios que me cabem,
sem precisar mentir.
Não sou tão feia que não possa casar,
acho o Rio de Janeiro uma beleza e
ora sim, ora não, creio em parto sem dor.
Mas o que sinto escrevo. Cumpro a sina.
Inauguro linhagens, fundo reinos
- dor não é amargura.
Minha tristeza não tem pedigree,
já a minha vontade da alegria,
sua raiz vai ao meu mil avô.
Vai ser coxo na vida é maldição para homem.
Mulher é desdobrável. Eu sou.

Adélia Prado

terça-feira, 6 de março de 2012

Aunque he pasado por altos y bajos
Soy la misma persona
Aunque no pienso de la misma manera
El nombre de ti no me abandona

Aunque tengo ganas
De vivir a tu lado
Mi corazón no me dejas
Él está angustiado

Aunque las cosas
Ocurran como no queremos
Por toda la vida, apuntáis
Que amemos.


Creé este para un plan de clase que tuve que presentar...

quinta-feira, 1 de março de 2012

- Eu poderia ficar olhando seu sorriso até dizer chega.
- E quando dirá chega?
- Quando eu resolver parar de te olhar e decidir tocar os seus lábios aos meus.

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

You can kill a lot of time
If you really put your mind to it
Or leave it all behind
And never go through it

Waiting for you - Ben Harper

sábado, 25 de fevereiro de 2012

Logo pela manhã me veio à cabeça. Impossível não pensar, não ir dormir com isso e acordar também. Algo que não se esquece, que não some, que não se vai. Atormentam-nos sempre, em qualquer hora, qualquer lugar. Pode ser adiada, guardada ou tomada. Só nos resta saber. Inventando pretextos, escrevendo textos, esperando êxitos. Decida-se, apressa, ouse em ir em frente, corra o risco.
Indecisões,
porque existem?

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

O que acontecerá
quando o amor acabar
a voz se calar
e um beijo eu não dar

a paz alcançar
o odio encerrar
seu coração eu roubar

o braço esticar
o abraço apertar
a mão não soltar

na grama deitar
a nuvem olhar
um desenho adivinhar

em uma rede descansar
os olhos fechar
um sonho sonhar

no sonho encontrar
uma nova forma de amar
no instante parar
e
te beijar.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Saudade, coração acelerado, ansiedade, frio na barriga, mão gelada, peito apertado.
E ainda dizem que esse negócio de amar é bom.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

e daí então você sentou no sofá
disse-me para me aproximar
e fui.

encaixou-me em sua cintura
falando que sou só sua
e acreditei.

me puxou para mais perto
como se fosse dar certo
e deu.

de repente você me beijou
e foi só o que me restou
e aconteceu.

outro dia amanheceu
no lençol você e eu
e sorriu.

sorriu com o olhar
insistia em falar
e escutei.

falava sobre tudo e nós
sussurrando a voz
e percebi.

brilhou então a boca
esquecendo a voz rouca
e continuei.

a voz rouca mostrava
que na noite passada
aconteceu.

acabou então a trama
quebramos no chão a cama
e quis repetir.

com a cama quebrada
em direção à sacada
fomos.
em direção à sala
fomos.
em direção à cozinha
fomos.
em direção à escada
fomos.
por toda vida
amamos.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Liberdade





Aqui nesta praia onde
Não há nenhum vestígio de impureza,
Aqui onde há somente
Ondas tombando ininterruptamente,
Puro espaço e lúcida unidade,
Aqui o tempo apaixonadamente
Encontra a própria liberdade.






Sophia de Mello Breyner Andresen

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Ela retribuiu
e então
ele
deu-se conta
tudo e seu paradeiro
não voltou no tempo
mas viu, era verdadeiro.
Ela acercou-se
não está mais solitário
pelo menos naquele instante.
Ela o viu, ele sorriu.
Ela pediu
perdão, dar-te-ia o coração.
Ele disse paixão, caio mais nessa não.
Ela quis voltar, ele quis voar.
e voou.
Ela pediu mais uma vez, ele falou com sensatez
deixa disso menina,
vai-te buscar em outro céu, outra colina.
Ele retribui
e então
ela
deu-se conta.
- Mesmo com essa nossa distância, me promete que sempre às 9 horas vai olhar a lua?
- Sim, mas por quê?
- Porque eu também vou olhar. Olhando para a mesma coisa, na mesma hora, vamos nos sentir juntos, diminuir a distância, somar o tempo.




E nós, ingenuos, olhávamos todo santo dia para lua às 9 horas.

domingo, 12 de fevereiro de 2012

O que a saudade não faz com a gente...

Um dia sem você é triste, uma semana é maldade,
Um mês não existe, dou meus pulos, atravesso a cidade
Junto dinheiro pra financiar a viagem.

Chuva de novembro

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

E um dia você resolve acordar, tomar café, escovar os dentes e mudar.

domingo, 5 de fevereiro de 2012

Um dia

Um dia, eu perdoei meu inimigo
e fui forte.
no outro eu pedi perdão
e fui grande.
Um dia, mostrei minhas razões
e fui eloqüente.
no outro, ouvi meu próximo
e fui humano.
Um dia, lutei pela minha causa
e fui bravo.
no outro, lutei pela causa alheia
e fui gente.
Um dia, batalhei pelo que queria
e fui perseverante.
no outro, dividi o pão
e fui rico.
Um dia, recebi aplausos
e fui admirado.
no outro, fiz o bem em silêncio
e os anjos me aplaudiram.
Um dia, usei a inteligência
e fui respeitado.
no outro, usei o coração
e fui amado!

Autor desconhecido

sábado, 4 de fevereiro de 2012

Eu sou sua menina, viu? E ele é o meu rapaz. Meu corpo é testemunha do bem que ele me faz.

Chico Buarque

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Nós nascemos sozinhos. Nós vivemos sozinhos. Nós morremos sozinhos. E qualquer coisa neste intervalo que possa nos dar a ilusão de que não estamos sós, nós nos agarramos a ela.

Voltaire
Eu não sabia que doía tanto.
Uma mesa no canto, uma saudade,
um amor, uma amizade.

Não é como se fosse amor à primeira vista, na verdade. É mais como… ação da gravidade. Quando você a vê, de repente não é mais a terra que está te segurando aqui. Ela te segura. E nada importa mais do que ela. E você faria qualquer coisa por ela, seria qualquer coisa por ela… Você se torna qualquer coisa que ela precisa que você seja. Seja o protetor dela, ou um amante, ou um amigo, ou um irmão.

Jacob Black

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Soneto dos sonetos

Soneto da canção
Canção pro coração
Com o coração na mão
Com a mão na mão.

Soneto da vida
Vida sofrida
Vida merecida
Vida vivida.

Soneto da desilusão
Desilusão da ilusão
Ilusão com a razão.

Soneto do fim
o que vai ser de mim
s'eu acabar escrevendo assim.

sábado, 28 de janeiro de 2012

Uma rima ou duas

Um livro aberto é como um avião decolando, a viagem começando e você sonhando. Sem mesmo sair do lugar, nem que não queira tentar, você acaba por voar. E voando continua, cambaleando pela rua, sem saber que sou sua. Sendo sua permaneço, nos teus sonhos enlouqueço, sem saber se te mereço. E mesmo não querendo, acabamos por rimar. E mesmo não sabendo, já começamos a voar.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Vamos, deixa ventar.
Escuta o recado que o vento vem lhe trazer
e as coisas ruins que ele quer levar.
Espera, sentiu?
O recado que ele trouxe é sobre nós dois
Mesmo você estando ocupado deixa as coisas para depois.
Agora vem, aproveita que tá ventando
pra gente se levantar da rede e ir levando.
Levantou? Então vamos aproveitar e ir pro mar
o dia tá bom pra namorar.
Bom mesmo é o som do mar que nos rodeia
Vem chega mais perto e senta na areia.
Quem diria ein, nesse mundão
ai de quem se queixar.
A vida é curta. Então,
vamos, deixa ela ventar.

Vem, diz baixinho, sussurra.
Beija, morde.
Deixa eu te sentir.



Como diria Martha Medeiros, o ponto G está nos ouvidos. Inútil procurá-lo em outro lugar.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012



Espairecer as ideias, deixar a correria de lado, abrir espaço para o novo e o coração para a vida.