Eu não sou promíscua. Mas sou caleidoscópica: fascinam-me as minhas mutações faiscantes que aqui caleidoscopicamente registro. C.L.



sexta-feira, 27 de abril de 2012

Um lugar qualquer da rua XX



Era noite de um sábado, lá fora chovia forte e o vidro do carro embaçado. A cada semáforo vermelho, nos beijávamos e sua mão deslizava. Riámos de coisas bobas, conversávamos sobre o dia no trabalho, falávamos sobre a correria do dia, o sofá da sala, a cama do quarto. Relembrávamos da noite anterior. Silêncio. Passando por uma rua escura, ele resolveu parar. Estacionou o carro numa rua estreita e sem movimento. Estávamos só nós, a luz no poste e o barulho do relógio. Afastou o banco para trás, travou as portas, foi quando eu sorri e ele me puxou. Me puxou pela cintura, por baixo da blusa e começou a lentavanta-la. Começou por beijar o canto da boca, depois seguiu para ela. Enquanto segurava a nuca não mudava o olhar, continuava com os olhos fixos aos meus. Deitou-me sobre o volante, beijando-me o pescoço, mordeu. Ao deslizar o corpo desabotoou a camisa. Seguia os beijos. Seguia a mão. Seguia o desejo. Os lábios descendo à barriga, desabotoou a calça. Sussurrou: E agora? Você é quem decide, respondi. Sorriu. Segurou-me forte. Encaixou-se. Nos esquecemos de nós mesmos, do tempo, do mundo. Já era madrugada quando um policial bateu no vidro. Nem escutamos. Embaçamos o vidro ainda mais. Começou a bater forte na porta, nós achando que era nós mesmos. Começou a ficar mais forte e mais forte, rápido e lentamente, quando puxei seu cabelo e me apertou a cintura. Te amo dissémos juntos. E o que tinha ficado mais forte continuou, era o policial batendo, tivémos que nos arrumar. Quando abrimos a janela, veio uma luz forte da laterna, nos distraiu os olhos. Na verdade era o sol a bater no rosto enquanto acordo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário