Eu não sou promíscua. Mas sou caleidoscópica: fascinam-me as minhas mutações faiscantes que aqui caleidoscopicamente registro. C.L.



quinta-feira, 20 de agosto de 2009


Que me importa.
Se o próximo o vê como tal, para mim não passa de um belo poeta,
Grande em seus sonhos, pequeno em seus amores.
Tudo é capaz de se tornar satisfatório,
quando se encontra outra pessoa para dividir seus sonhos,
seus belos sonhos de vida futura
Só não sendo futura, pois o passado também me valeu.
Como poderia eu ser quem sou, se não fostes de meu passado.
Se me achastes não foi por acaso, algo está por vir, creio eu.
E se o mundo o vê como ele não é
Que me importa, se eu o vejo.