Eu não sou promíscua. Mas sou caleidoscópica: fascinam-me as minhas mutações faiscantes que aqui caleidoscopicamente registro. C.L.



quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Os bêbados também amam

Chegamos loucos, deitamos ao pé da cama e rimos. Rimos muito, rimos de tudo que tivéramos feito naquela noite. Rimos do que falamos no bar, rimos do quanto bebemos, rimos olhando um ao outro, rimos e chegamos perto. Foi-se o beijo. Me deitou em sua cama e me beijou tão docemente. Enquanto passava sua mão em minha nuca e colocava-me o cabelo atrás da orelha. Tirou a camiseta, nem lembro que cor era, lembro mesmo era daquela cena. Quando ele a tirou e ficou em minha frente, percebi que eu não tinha escolha, eu já estava entregue. Quando havíamos tirado tudo, deitamos. Ele veio, veio como quem não quer nada, veio como quem quer tudo, só veio. Lembro-me dele beijando meu pescoço. Ah, que sensação foi aquela! Foi então que meu pensamento voou, voou tão longe e voltei para aquele quarto alguns minutos depois. Quando abri os olhos já estava beijando cada pedaço do seu corpo, deslizando-me sob ele, dedilhando seu corpo como quem dedilha seu violão preferido. E que violão era aquele que eu estava a tocar! E novamente me perdi. Perdi-me naquele quarto, naquela cama, naquele beijo. Lembro-me dele falando sobre mim, coisas que nunca houvera escutado, coisas que adorei tê-las escutado, coisas que me encantaram assim como seu perfume. Volte e meia eu voltava a sonhar e levar meus pensamentos para o longe, para quando o conheci, quando o vi sorrir a primeira vez, quando nos olhamos no bar de uma maneira! Maneira a qual nunca tivéssemos nos olhado. Ia e voltava. Voltava e ia. Quando voltei a mim, ele estava deitado e eu sob o peito dele, voltamos a rir, voltamos a contar coisas que nunca nem desconfiávamos. Assim como eu já havia o desejado, era recíproco. Nos olhamos, estava escuro, somente a luz do notebook, tocando Pink Floyd, refletia naquele quarto. E nós refletíamos debaixo daquele lençol. Era errado e era certo. E daquela noite, a única coisa da qual me arrependo, era ter bebido além do que devia. Não queria lembrar-me somente dos pequenos flashes mas da noite inteira, cada frase dita, cada riso dado, cada beijo trocado, cada mão deslizada, cada tesão sentido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário